...

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A casa caiu!


O teto caiu recentemente, mas a casa caiu faz tempo...

Uns vão falar que é juízo de Deus, outros vão falar que é coisa do demônio, há até quem diga que seja conspiração... Pode ser que tenha a ver, como pode ser que não tenha nada a ver. Da minha parte vou me limitar aos fatos e não as possibilidades.

Cabe a nós, cristãos, orar sempre e ajudar na medida do possível. Porque queiram ou não, gostem ou não, somos membros do mesmo Corpo.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Por estar Vivo - Danni Distler

Aprendi essa música neste fim de semana e foi paixão "à primeira ouvida".
Esta letra me abençoou tanto que não poderia deixar de compartilhar. Deus os abençoe.

video

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Mas Ele continua me amando...

Esta música esta no filme "Resistindo as Tentações" e a letra tem muito a ver com os três textos anteriores... Vale a pena refletir.

video

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A frustração que cura - Parte III

Mas ainda assim queremos nos sentir dignos do amor do Pai, e para isso, muitas vezes nos envolvemos em diversas atividades, evangelizamos, participamos de todas as reuniões da igreja, ajudamos os necessitados e por aí vai. Quando menos percebemos, já caímos no ativismo e acabamos por nos afastar mais ainda.

Por fim, concluímos que todas as nossas tentativas foram em vão. Não somos bons os suficiente. Nós falhamos! Nós fracassamos!

E é quando fracassamos por completo em todas as nossas tentativas de receber o amor divino por mérito próprio, que começamos a engatinhar rumo a compreensão dos fatos.
É nesse ponto que entendemos que se Deus não precisa de justificativas teológicas para nos amar, tampouco precisará de justificativas humanas.

O Pai nos ama simplesmente porque escolheu nos amar!
O fracasso das nossas falsas identidades, mostra que só encontramos nosso verdadeiro eu na aceitação do amor incondicional de Deus.
A compreensão e aceitação dessa verdade divina, nos torna livres para sermos nós mesmos.

Minha oração é para que a frustração curadora nos liberte dos impostores que criamos em nossos corações.

domingo, 11 de janeiro de 2009

A frustração que cura - parte II

É desconfortável quando recebemos algo sem precisar fazer nada em troca. Parece que não somos dignos de receber, não é mesmo? E muitas vezes nos sentimos assim em relação ao amor de Deus e nos afastamos Dele.

Por que temos tamanha dificuldade em repousar nossa identidade no fato de sermos amados do Pai?
Porque crescemos com o conceito de que só seremos aceitos se provarmos que somos merecedores.

E em detrimento do verdadeiro eu, criamos uma falsa auto-imagem para sermos aprovados pelas pessoas, pelo sistema e, na maioria das vezes, por nós mesmos.
Porém Deus não se impressiona com nossas proezas, alias, Ele não precisa delas. Deus não se surpreende com nossas invenções e descobertas.
Nossos esforços não mudam em nada Seu amor para conosco.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

A frustração que cura - parte I

Como você responderia se eu lhe fizesse esta pergunta: "Você acredita honestamente que Deus gosta de você e que não o ama apenas porque teologicamente ele tem de amá-lo?". Se você pudesse responder com uma honestidade visceral: "Ah, sim, sou profundamente querdido por meu Aba", você experimentaria, por si mesmo, uma compaixão serena, que se aproxima do significado da ternura.

Trecho retirado do livro "O impostor que vive em mim" de Brennam Manning

Dentro dessa perspectiva, comecei a rever o significado do amor que Deus têm para comigo. Pensar que o Pai não me ama por obrigação teológica, e sim por livre e espontânea vontade, é meio assustador.

O que Ele viu em mim? O que eu tenho ou o que fiz para que Ele me amasse?
A resposta é bem simples e até certo ponto frustrante: Nada!

Não há nada que possa ser feito para conquistar o amor de Deus. Não existem pré-requisitos para amor incondicional! Já parou pra pensar nisso?

sábado, 3 de janeiro de 2009

Tirando poeira de um velho Guarda-Roupa

Para ajudar meu irmãozinho neste blog, resolvi publicar aqui esta pequena idéia, largamente trabalhada por Lewis em toda sua “Crônicas de Nárnia”. Esta obra tem me acompanhado, desde a minha pré-adolescência – que já faz um tempinho que acabou.

Espero, Josué, deixar a minha contribuição fraterna para os teus leitores, que eles possam alargar as estacas da criatividade na fé, perseguindo a trilha deixada por você, aqui... Agora, venham comigo tirar um pouco de poeira de um velho Guarda-Roupa!

Em “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”, o feiticeiro, tio das crianças é desesperado em dominar o "novo mundo de Nárnia"! Lá naquele solo que transforma pedaços de ferro bruto em manufaturas prontas, seria uma excelente terra a ser explorada por ávidos empreendedores... A magia da Feiticeira Branca - aquela da mesma espécie estudada pelo tio das crianças - é de caráter secreto, meramente utilitário e o principal, constitui uma técnica de dominação do mundo.

Lewis descreve os bruxos/feiticeiros de uma forma brilhante: "São pessoas com incrível senso prático!" O tema da Magia e o seu oposto, a Feitiçaria é extremamente profícuo e interessante nas obras de Lewis, e tb nas do seu amigo Tolkien.

A população cristã protestante deveria a apresentar a Magia do Leão que Cria, Liberta e Satisfaz de verdade os seus seguidores - nestes termos se opõe totalmente ao caráter consumista, fútil, escravizante da feitiçaria aplicada ao Manjar Turco. O Leão não oferece manjares turcos... Mas, antes ele veio para que tenhamos vida, e Vida em abundância!!!!!

Quanto a você, meu irmãozinho, que a Magia Profunda permaneça em você – e você nela!

De teu irmão que te ama,
Marcel